“Celebramos gente santa com o nosso nome e às tantas com a nossa profissão e da nossa família”

Data

 

Hoje o dia é, ao contrário do que a tradição popular indica, festivo. Celebram-se todos os Santos, aqueles que estão nos altares e todos os que já fizeram o caminho de encontro com Deus. Gente anónima que “já se encontrou com o Criador”. O Padre Carlos Felgueiras explica-nos o significado do dia de hoje, de Todos os Santos, e o de amanhã, dos Fiéis Defuntos.

Dia de Todos os Santos

A 1 de novembro celebra-se o Dia de Todos os Santos. Um dia festivo para a Igreja Católica e para os crentes. A tradição popular, com a habitual visita ao cemitério para lembrar os entes queridos já falecidos, tornou um dia que deveria ser de alegria, num dia triste, marcado pela saudade.

O Padre Carlos Felgueiras, 46 anos, que coordenou as Paróquias de Sendim, Jugueiros e Friande, e que está em ano sabático, explicou ao Felgueiras Diário o significado deste dia e também do de amanhã.

Padre Carlos Felgueiras (à direita) após a celebração de um Matrimónio

“Nestes dois dias, temos a celebração da totalidade do Mistério da Igreja, de todos os que foram batizados e percorrem o caminho de fé e de verdade ao encontro de Jesus Cristo”, começou por referir.

Neste dia 1 de novembro, de Todos os Santos, “é dia de festa imensa”, argumenta o sacerdote. “Celebramos uma multidão de gente como nós, que foram de carne e osso como nós, que tiveram até ‘bons’ pecados, mas que foram capazes de ser fiéis e fizeram o caminho de encontro com Deus”, acrescenta.

Jesus Cristo na Igreja da Lixa

“Pensamos que a santidade é rezar muitos terços e fazer coisas fantásticas, mas às vezes a santidade é fazer coisas muitos pequeninas como remendar umas meias com carinho e descascar batatas para a sopa ao serviço do outro”.

“Neste dia 1, celebramos os Santos que estão no calendário devido à vida exemplar, mas também celebramos uma multidão que é feliz na presença de Deus. São tantos que não havia dias do ano que chegassem, nem conseguimos contá-los…Esses já estão onde a verdade é sempre verdade e a beleza não depende do tempo. Celebramos gente com o nosso nome e até com a nossa profissão, que fizeram capa de revista no seu tempo, por assim diver, e outros anónimos que chegaram ao encontro feliz com Deus”, reforça.

O Padre Carlos Felgueiras diz mais: “na família de cada um de nós pode haver um santo”.

E ser santo não é algo inatingível, garante. “Pensamos que a santidade é rezar muitos terços e fazer coisas fantásticas, mas às vezes a santidade é fazer coisas muitos pequeninas como remendar umas meias com carinho e descascar batatas para a sopa ao serviço do outro”.

Padre Carlos Felgueiras

Dia dos Fiéis Defuntos

No dia 2 de novembro, comemora-se o dia dos Fiéis Defuntos. “É um dia para relembrar uma multidão de gente que partiu à nossa frente e que ainda está a caminho do encontro com Deus. Nós rezamos para que possam encontrar-se com o Criador, e eles gente não deixam de nos amar e de também pedir ao Pai por nós. Eles, os que estão a caminho desse encontro com Deus, também rezam por nós, não nos devemos esquecer disso”, assegura o Sacerdote natural da Lixa.

Este é um dia que “traz saudade e uma lágrima no olho” e que nos faz refletir sobre “as questões existenciais”, lembra o Padre Carlos Felgueiras.

“Vamos ao cemitério para lembrar os nossos e recordamos também as nossas raízes”, observa. “Esta tradição acontece por norma no dia 1 de novembro porque é dia Santo e feriado dado que no dia 2 as pessoas estão a trabalhar e não podem fazer essa romagem”, recorda.

Cemitério de Margaride (foto: CM Felgueiras)

A celebração de Todos os Santos e dos Fiéis Defuntos remonta à alta Idade Média e tem origem, no calendário da Igreja Romana, “á sombra” dos Mosteiros Beneditinos, no século X.

São dois dias marcantes para os crentes e que devem ser “vividos com fé”.

O presente é um Presente de Deus

O dia de Todos os Santos e o dos Fiéis Defuntos são datas de grande significado para a Igreja Católica e estão profundamente enraizadas na tradição popular.

Resumindo: o dia 1 de novembro é de festa e o dia 2 de reflexão. E a este propósito, o Padre Carlos deixa ficar uma frase para que possamos meditar.

“O presente é um dom que Deus nos dá. É um Presente que Deus nos oferece diariamente”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui

spot_img

Artigos relacionados

Felgueiras deixou escapar vitória nos descontos

O Felgueiras empatou a uma bola com a Académica, em Coimbra, este sábado. O golo do empate foi marcado...

Família pede ajuda para localizar homem desaparecido

Um homem de Sendim está desaparecido e a família lançou um apelo para tentar localizá-lo. Trata-se de Luís Osório,...

“O jogo é decisivo e por isso temos de o ganhar”

Agostinho Bento, treinador do Felgueiras, considerou que o jogo deste sábado, em Coimbra, com a Académica, é decisivo...

Instituições de Solidariedade recebem 200 mil euros do Município

Mais de 200 mil euros foram atribuídos pela Câmara de Felgueiras às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSSs),...