Lixa: de povoação a cidade em 162 anos

Data

 

LIXA: ASPETO ATUAL DA PRAÇA DR. JOSÉ JOAQUIM COIMBRA

De povoação a Vila e depois a cidade. A história da Lixa percorre vários decénios.

Povoação durante anos, o decreto da elevação da população da Lixa, à categoria de Vila foi aprovado na reunião do Conselho de Ministros a 1 de abril de 1933.

Mais tarde, a 21 de junho de 1995, a Assembleia da República, aprovou, por unanimidade, a passagem à categoria de cidade.

A centralidade da Lixa sempre foi uma das suas mais valias. Com a EN15, que liga Vila Real ao Porto, outrora denominada Estrada Real, nas proximidades, e a ex-EN 101, que vai até ao Alto Minho, a atravessá-la, a Lixa, território do concelho de Felgueiras, está no “miolo” de uma área que abarca freguesias de vários concelhos: Lousada, Amarante e Celorico de Basto, que se servem daquilo que oferece: bancos, Correios, serviços e comércio.

É certo que os tempos são outros. Há umas dezenas de anos atrás, num tempo em que o acesso a determinados serviços era apenas físico, esta ‘centralidade’ tinha outra expressão e, provavelmente, outra importância, mas de certo modo, esta caraterística, de uma terra com vida própria, ainda vai tendo o seu “quê” de importância.

UMA RUA DA CIDADE

No dia 21 de junho, a Lixa comemora 28 anos como cidade. O tempo voa, voa, passa, constrói e destrói, cria, altera, mas não apaga a história.

FOTO ANTIGA DA ENTÃO RUA DA ALEGRIA, NA LIXA

Terra com grandes nomes, entre os quais o mais conhecido talvez seja o de Leonardo Coimbra, filósofo, professor e Ministro da Instrução, fundador da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, “deu” à terra outros filhos ilustres que se tornaram ao longo dos anos expoentes do bairrismo: Artur Bica, Artur Mendes Ribeiro, Padre António Durães, Padre Custódio Marinho – fundador e diretor do extinto Jornal da Lixa – Carlos Coelho, o famoso C. Coelho das “Coisas e Loisas”, Eduardo de Freitas, médico e presidente da Câmara de Felgueiras, José Joaquim Coimbra, ilustre Juiz, António Sousa “Campião”, e filhos adotivos como D. José de Avillez, que trouxe o futebol para a terra, o Prof. Queirós, durante anos Comandante dos Bombeiros, António Cerqueira Magro, Maestro Teixeira Douro, Clemente Quintela Teixeira, e tantos outros, que mais ou menos no anonimato, ajudaram a construir a terra.

A cidade está em festa até ao dia 25, com várias atividades que poderá acompanhar no Felgueiras Diário.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui

spot_img

Artigos relacionados

Felgueirense Teresa Rodrigues é bi-campeã nacional

Prova de bom nível garante a reconquista do título nacional. pub. A nadadora felgueirense Teresa Rodrigues, do Foca Quinta...

Retail Park na antiga Belcor: primeira pedra foi lançada

Investimento em curso vai mudar a "paisagem" naquela zona da cidade. A primeira pedra do futuro Retail Park...

Felgueiras vence em Amarante segundo teste da pré-época

O Felgueiras venceu em Amarante por 4-2 no segundo jogo de preparação. O teste foi positivo para a equipa...

Comemorações dos 34 anos da cidade de Felgueiras e da Vila de Barrosas

As comemorações oficiais dos 34 anos da elevação de Felgueiras a cidade e da Vila de Barrosas a...